Skip Navigation LinksFuzileiros > PT > Comando do Corpo de Fuzileiros > A medalha de Ouro de Serviços Distintos


A medalha de Ouro de Serviços Distintos
 
 
 
 
 
A medalha de Serviços Distintos destina-se a galardoar serviços de carácter militar, relevantes e extraordinários, ou actos notáveis de qualquer natureza ligados à vida da instituição militar, de que resulte, em qualquer dos casos, honra e lustre para a Pátria ou para a própria instituição.
 
Transcrição da Ordem da Armada 51 / 07-12-94
 
Corpo de Fuzileiros. Medalha de ouro dos Serviços Distintos
 
Condecoração:
- Portaria nº 157/94 (2ª Série), de 18 de Novembro:
O corpo de fuzileiros é o legitimo herdeiro do mais antigo corpo de tropas constituído com carácter permanente em Portugal, designado então por Terço da armada Real. Desde a sua criação, em 1618, o Terço participou nas campanhas militares nacionais mais importantes, tendo-se destacado, pelas suas acções em combate, nas lutas contra holandeses e franceses nas costas do Brasil e, posteriormente, na guerra de restauração.
 
Recriação em 1961, os fuzileiros organizaram-se em destacamentos de fuzileiros especiais e companhias de fuzileiros. Os destacamentos, unidades de pequena dimensão, flexíveis e determinadas, tiveram papel de relevo nas acções de combate levadas a cabo nas orlas ribeirinhas e no interior dos teatros de operações de África. As condecorações individuais e colectivas atribuídas demonstram a coragem debaixo de fogo e o grande espírito de missão. As companhias, por sua vez, patrulharam incansavelmente os rios, escoltaram comboios de reabastecimento, protegeram instalações vitais e guarneceram bases temporárias de operações. Das acções das unidades de fuzileiros resultou gloria e lustre para as Forças Armadas e para o País.
 
Fruto de redimensionamento e reorganização do dispositivo operacional da Marinha, foi criado, em 1975 o Comando do Corpo de Fuzileiros. Desde essa data têm as unidades operacionais do Corpo de Fuzileiros mantido um elevado estado de prontidão, posto à prova em acções de pré-preparação para empenhamento onde eventualmente o interesse nacional o requeresse e têm assegurado o serviço de segurança e defesa das instalações mais importantes da Marinha e Nato, bem como um eficaz serviço de Polícia naval. O empenhamento do pessoal é extremamente elevado e a motivação, o espírito de missão e de bem servir, a disciplina, a permanente procura de melhor preparação e o orgulho de possuir uma boina azul-ferrete continuam a ser uma constante do dia a dia dos oficiais, sargentos e praças que no Corpo de Fuzileiros prestam serviço.
 
Pela escola de Fuzileiros, escola de sacrifício e de dedicação, onde os jovens rapidamente amadurecem e se transformam em homens pela compreensão dos superiores valores da vida, da lealdade, da camaradagem, da entreajuda, da liderança, da coragem e da determinação, passaram sucessivas gerações de jovens que hoje dão o seu contributo no desenvolvimento do País. A formação humana, moral e de carácter destes homens continua a ser a gloria das sucessivas gerações de instrutores da Escola de Fuzileiros.
 
A prontidão das unidades do Corpo de Fuzileiros tem permitido a intervenção oportuna e adequada em situações de catástrofe, salvamento vidas e haveres e cooperando em operações de despoluição e limpeza de praias e rios seriamente afectados. Assim aconteceu em varias cheias do rio Tejo, na limpeza das praias da Costa da Caparica, Costa da Galé, Porto Covo, Almograve e rio Guadiana.
 
São igualmente dignos de realce os inúmeros apoios às actividades desportivas e de intervenção ligadas ao mar, designadamente a regatas e actividades de mergulho e a desportos de ar livre e exploração da natureza, numa ligação permanente à juventude e ao ambiente.
 
Resultantes de projectos concebidos, conduzidos e supervisionados por fuzileiros portugueses, recentemente nasceram, organizaram-se e estão em pleno desenvolvimento as forças de fuzileiros da Guiné, de Angola e Moçambique. A preparação, disciplina e prontidão operacional de tais forças de fuzileiros tem já hoje uma importância relevante nos respectivos sistemas de forças. Estas acções têm sido permanentes no desenvolvimento e consolidação das relações entre Portugal e aqueles países de língua oficial portuguesa, abrem portas a novas formas de cooperação noutras áreas consideradas estratégicas e traduzem bem o empenho, a competência e o entendimento dos interesses nacionais pelo Corpo de Fuzileiros.
 
Pelo atrás exposto, tem o corpo de Fuzileiros, de forma relevante, extraordinária e distinta, contribuído para a honra e lustre da Marinha e das Forças armadas e ganho grande prestígio para o país.
 
Nestes termos:
Manda o Governo, pelo Ministro da Defesa Nacional, ao abrigo do artigo 31º do Regulamento da Medalha Militar e das Medalhas Comemorativas das Forças Armadas, aprovado pelo Decreto-Lei nº 566/71, de 20 de Dezembro, condecorar com a medalha de ouro de serviços distintos o Corpo de Fuzileiros.
 
(Publicada no Diário da Republica, II Série, nº 277, de 30 de Novembro de 1994, pelo Ministério da Defesa Nacional)